Versejos.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Desalento.


Os rios silenciam
Náufragos em dor
Nessa terra de solos inférteis
A semente já não é mais flor.
As árvores e seus galhos nus
Valseiam tristes ao vento
Lá na mata o matiz já se foi
Lá na ponte rebentaram o cais
E em mim 'sobra tanta falta'!